segunda-feira, 23 de julho de 2007

Chuva

Estou úmido.
Molhado, empapado, escorrendo...

Siga o fluxo, do tempo, do vento que estacou mas sem deixar parar a gota.

Vá nadando manganão, vá ver lá fora, faz tempo que não para mas também fazia tempo que não vinha.
Que tal se parasse agora hein Pedro? Que tal se fisesse aquele outro vir de novo?

O cheiro aqui é diferente, acre, cinza, morto.
E eu me sinto verde-musgo.

Um comentário:

ágatha disse...

todo paulista é meio podre de tanta umidade impregnada né?